Estudo PICPlast sobre reciclagem do plástico revela otimismo do setor


  • Pesquisa mostra que os empresários que atuam na indústria brasileira de reciclagem, uma das mais sofisticadas do mundo, estão dispostos a investir nos próximos anos. 
  • As embalagens são as grandes fontes de reciclagem, 39% das recicladoras ouvidas têm na embalagem 90% ou mais do total reciclado.
  • O mercado interno é o que mais fornece material reciclável para as transformadoras.



O Brasil possui uma indústria recicladora de plástico madura, diversificada e disposta a investir mais em 2018, visando o crescimento do setor. É o que mostra o mais recente mapeamento de recicladores de plástico no Brasil, realizado pela Fundação Instituto de Administração (FIA), referente ao ano de 2016. A iniciativa é do Plano de Incentivo à Cadeia do Plástico (PICPlast), parceria da Associação Brasileira da Indústria do Plástico (ABIPLAST), e da Braskem, maior petroquímica das Américas.

Do universo analisado, com cerca de 110 recicladores, 37% consideram que o período foi estável ou melhor em relação ao estudo anterior e 43% planejam investir nos próximos anos. “O Brasil possuiu um dos mercados mais sofisticados do mundo em reciclagem de plástico. Em poucos lugares encontramos a diversidade de aplicação que temos aqui”, diz o professor da FIA Leandro Fraga, responsável pela pesquisa. De acordo com o estudioso, o Brasil sai na frente em relação à oferta de produtos transformados a partir do plástico reciclado, sendo capaz de produzir desde simples itens, como tampas de embalagens, até peças para indústria automotiva, consideradas mais complexas.


A maturidade do setor pode ser representada pelo tempo de atuação das empresas. Segundo o mapeamento, 94% dos transformadores existem há mais de seis anos, sendo que 79% estão em atividade há mais de uma década. Em relação ao porte dos players, o estudo revela um mercado bem equilibrado, com 49% de empresas de grande e médio portes e 51% de micro e pequenas empresas.

Porte das empresas entrevistadas


O reconhecimento do valor do plástico como matéria-prima por parte das empresas também é crescente, segundo a pesquisa. “O plástico reciclado é outra forma de produzir plástico. Além disso, os consumidores já reconhecem o reciclado como atributo e não uma resina barata”, diz Fraga. As embalagens são as grandes fontes de reciclagem, 39% das recicladoras ouvidas têm na embalagem 90% ou mais do total reciclado.
O mercado interno é o que mais fornece material reciclável para as transformadoras. O mapeamento mostra que apenas 5% dos entrevistados importam matéria-prima, que representa apenas 2% do volume do total reciclado.

O campeão de reciclagem é o polietileno, resina reciclada por 27% dos participantes do estudo. Também possuem grande representatividade o polipropileno (23%), o PET (16%) e o PS (15%).

Para Leandro Fraga, o gargalo desta indústria é a dificuldade de acesso dos transformadores ao plástico a ser reciclado. Segundo dados do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), apenas 13% dos resíduos sólidos urbanos no Brasil têm como destino as recicladoras. “Precisamos ter em mente que a importância da reciclagem já é uma realidade. Buscar soluções para este gargalo é uma questão que precisa ser resolvida a curto prazo”.

Sobre o PICPlast

O Plano de Incentivo à Cadeia do Plástico (PICPlast) é uma iniciativa criada em 2013 pela Braskem, maior produtora de resinas termoplásticas das Américas, e ABIPLAST, Associação Brasileira da Indústria do Plástico, prevê o desenvolvimento de programas estruturais que contribuam com a competitividade e o crescimento da transformação plástica. Baseado em três pilares: aumento da competitividade e inovação do setor de transformação, estímulo às exportações de transformados plásticos e promoção das vantagens do plástico, o PICPlast também conta com investimentos voltados ao reforço na qualificação profissional e na gestão empresarial.

No pilar de vantagens do plástico, as frentes de trabalho são voltadas para reciclagem, estudos técnicos, educação e comunicação, com destaque para o Movimento Plástico Transforma. Para saber mais, acesse www.picplast.com.br e plasticotransforma.com.br.

Sobre a Braskem

Com uma visão de futuro global, orientada para o ser humano, os 8 mil Integrantes da Braskem se empenham todos os dias para melhorar a vida das pessoas, criando as soluções sustentáveis da química e do plástico. É a maior produtora de resinas das Américas, com produção anual de 20 milhões de toneladas, incluindo produtos químicos e petroquímicos básicos, e faturamento de R$ 55 bilhões em 2016. Exporta para Clientes em aproximadamente 100 países e opera 41 unidades industriais, localizadas no Brasil, EUA, Alemanha e México, esta última em parceria com a mexicana Idesa.

Sobre a ABIPLAST

A Associação Brasileira da Indústria do Plástico — ABIPLAST representa o setor de transformados plásticos e reciclagem desde 1967, atuando para aumentar a competitividade da indústria. Para isso, realiza ações que promovem novas tecnologias, novos processos, pesquisa de produtos com foco na sustentabilidade, entre outras. A ABIPLAST representa atualmente 12.384 empresas que empregam um total de 320.247 mil pessoas.

Leia agora:
Braskem inicia operações em Boston e fortalece estratégia de Química Renovável
BASF tem novas diretoras em Catalisadores e Químicos de Performance
Competitividade na indústria automobilística depende de fornecedores com gestão eficiente de processos e certificações de qualidade
Agrishow 2018 terá novidades da Aspebras Rotomoldagem, do empresário José Roberto Colnaghi 
Estudo PICPlast sobre reciclagem do plástico revela otimismo do setor

Veja também:
TecGlaze®: os 30 anos da cera desmoldante para compósitos da Polinox
Covestro inaugura sua nova sede para a América Latina
Indac sugere à cadeia criativa entregar o produto perfeito em acrílico