Garras em 3D aumentam a eficácia de máquinas de embalagens

Garras de plástico imprimidas em 3D feitas do plástico tribológico iglidur I150 economizam 85% dos custos e 70% do tempo na indústria de embalagens (Foto: igus GmbH)

Quando uma águia de rapina agarra a sua presa, ela adapta a sua garra ao tamanho respectivo em um movimento extremamente rápido. A indústria de embalagem só pode sonhar com essa flexibilidade. As suas garras de metal que, por exemplo, posicionam a tampa em vidros de creme, geralmente estão limitadas a um único formato. Por isso, muitas vezes demora semanas até a garra certa estar pronta para mudar um produto. Esse processo é 85% mais barato e 70% mais rápido com garras de plástico leves e robustas feitas de tribofilamentos da Igus. Elas são um resultado direto do processo de impressão 3D.

Desde 2015, a igus vem oferecendo filamentos de impressão 3D tribologicamente otimizados para a impressão 3D. Se estão disponíveis os dados CAD de um produto, é fácil fabricá-lo em um processo aditivo e feito de plásticos de alto desempenho Iglidur auto-lubrificantes que são otimizados para desgaste e atrito. Muitas empresas já usaram os tribofilamentos da Igus. Entre os clientes está a Carecos Kosmetik GmbH, que enfrentava o seguinte problema: quando mudava-se um produto, as máquinas de embalagem precisavam de novas garras que pudessem agarrar as tampas e enroscá-las nos recipientes.

Antes o cliente escolhia a usinagem elaborada de uma garra feita de alumínio. Isso não só custava 10.000 euros por peça, mas também demorava seis semanas. Esse é um tempo muito longo em um setor industrial, onde no início da era da Indústria 4.0 é cada vez mais importante poder produzir até mesmo pequenos lotes de forma econômica. A solução: Com o filamento tribologicamente otimizado iglidur I150, o embalador encontrou um material para a impressão 3D extremamente estável e, ao mesmo tempo, muito resistente a impactos, com o qual pode-se imprimir uma garra dentro de 10 a 12 horas.

50 vezes mais resistente ao desgaste que materiais comuns: os filamentos de impressão da igus

Devido aos altos custos e ao longo tempo de produção de garras de metal, a empresa primeiro tentou imprimir as garras em 3D usando plásticos comuns como ABS e PLA. No entanto, o processo de impressão não produziu resultados satisfatórios. Por isso, a Carecos Kosmetik GmbH entrou em contato com a Igus e agora ela tem, com o Iglidur I150, um tribofilamento livre de lubrificação e de manutenção otimizado para atrito e desgaste. Quase todos os elementos de uma garra são flexíveis e deslizam sobre eixos e pinos, fazendo com que as partes individuais sejam continuamente expostas a desgaste.

Partes metálicas muitas vezes precisam ser equipadas com rolamentos separados ou lubrificadas na aplicação. O uso do Iglidur I150 na impressão 3D permite a empresa a economizar até 85% do custo e 70% do tempo de fabricação comparado com as partes de alumínio anteriores. Mas não é só isso. Além disso, as garras de plástico são sete vezes mais leves que as de metal. A Igus oferece cinco outros filamentos para a impressão de partes resistentes ao desgaste em uma grande variedade de cenários de aplicação. Comparados com materiais padrão como ácido poliláctico (PLA), os plásticos de alto desempenho da Igus são 50 vezes mais resistentes ao desgaste e podem ser processados em todas as impressoras 3D padrão.

(Fonte: Rebeca Tarragô /Marketing/Igus do Brasil)

Leia agora:
Dow tem nova gerente para Desenvolvimento de Mercado de Embalagens
As vantagens do isolamento acústico obrigatório em edifícios residenciais
Projeto Tampinha Legal nas praias do Sul
Produção de plástico deve crescer 2%, diz Abiplast

Veja também:
Artigo: Desafios do mundo corporativo para 2018
Medo do desemprego diminui para 65,7 pontos, informa pesquisa da CNI
Balança comercial tem saldo positivo na 1ª semana de 2018