quinta-feira, 14 de março de 2019

Proibição de copos plásticos em Porto Alegre em debate


O projeto que prevê a proibição do fornecimento e utilização de copos plásticos descartáveis em estabelecimentos comerciais de Porto Alegre foi pauta de encontro entre representantes do Sindicato de Hospedagem e Alimentação de POA e Região (SINDHA) e o autor do projeto, vereador André Carús, na manhã desta sexta-feira, 08 de março. De acordo com a proposta, estabelecimentos comerciais como restaurantes, bares, lanchonetes e similares da Capital, bem como vendedores ambulantes, deverão substituir os copos plásticos descartáveis por copos descartáveis de material comprovadamente biodegradável ou copos de uso permanente.

O presidente do SINDHA, Henry Chmelnitsky, afirmou que o prazo definido para que os estabelecimentos se adaptem à alteração é muito curto. “Exigir que em apenas seis meses todos os bares e restaurantes de Porto Alegre já estejam operando conforme o que estipula o projeto de lei é muito complicado. Entendemos que essa é uma mudança que envolve educação e conscientização de toda a população, não apenas de quem fornece e comercializa os copos plásticos”, salientou Chmelnitsky. O presidente do Sindicato de Hotéis de Porto Alegre (SHPOA), Carlos Henrique Schmidt, também presente na reunião, reforçou que é preciso olhar a questão de forma global, não apenas pelo viés da proibição: “Definir um prazo razoável para a transição e implementação de ações educativas é fundamental”.

O vereador André Carús concordou que o prazo é um ponto que pode ser flexibilizado e que as ações de conscientização e a forma como serão implementadas poderão ser discutidas em audiência pública.“Sabemos que colocar uma lei em prática não é algo que se f az do dia para a noite e a ideia não é que seja algo apenas conceitual. Queremos que este seja um passo em direção a Porto Alegre do futuro e isso, é claro, passa pela educação da população também”, frisou Carús. 

Também participou do encontro o diretor de Projetos e Educação do SINDHA, Ricardo Zanona, além do presidente do Instituto Sustenplást, Alfredo Schmitt e do Sinplást, Gerson Haas, e representantes de entidades ligadas à indústria do plástico.